quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Ética e respeito!

É o mínimo necessário para se viver em sociedade! Olha, eu posso não gostar do batidão que você escuta, mas defendo com unhas e dentes o seu direito de gostar, apreciar e escutar, desde que você não prejudique meu sono, não interfira no som que eu escuto e não me obrigue a escutar junto!
Normalmente eu prefiro ir pra casa caminhando, mas nos dias em que estou cansada por qualquer motivo, uso o ônibus. E eu e todos os que pagamos a passagem temos direito a um transporte digno. Nem reclamo de, às vezes, ir em pé. Mas não acho digno ir apertada como sardinha em lata, sem segurança, sem ter onde segurar, com calor (o ar condicionado só existe na planilha de custo para determinar o valor da passagem...), conduzida por motoristas descuidados, que colocam minha segurança e de outros cidadãos em constante risco! Não me incomodo de pagar a passagem, desde que haja dignidade no tratamento do usuário.
Não me incomodo de pagar impostos, mas quero ter acesso a serviços que me tratem com respeito, que valorizem meu dinheiro, que se importem com meu bem estar. É inadmissível médicos que não olham na cara dos seus pacientes e os mandam para casa (muitas vezes para morrerem) por que não existem vagas em hospitais. É inadimissível policiais que despem à força uma colega de trabalho seja por qual motivo for (atentado ao pudor é o nome)! É inadimíssivel furar a fila no cinema, na padaria, no banco, no elevador, ou aonde for! É inadimissível um professor não respeitar uma aluna e fazer propostas de cunho sexual para a menina! É inadimissível um aluno não respeitar o professor ou qualquer outro funcionário da escola! É inadimissível não respeitar as diferenças, humilhar gordos, magros, gays, mulheres, homens,velhos, jovens, seres humanos, não quer ser amigo, não seja, mas respeite!
Temos que mudar a forma que nos doutrinaram a pensar. Precisamos respeitar o coletivo para ter paz individualmente. Precisamos rever nossa forma de conviver em sociedade. Precisamos olhar com um olhar ético as pessoas ao nosso redor.
Precisamos de ética, respeito e uma boa dose de cuidado e carinho com a nossa vida e com o outro e que com tudo que nos cerca.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Todo amor que houver nessa vida.

video
Meio sem inspiração pra postar, resolvi buscar ajuda naquele que sempre me inspirou muito!

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Degeneração Córtico-Basal - convivendo...

A velhice é uma época triste da vida! Pronto, falei.
Minha mãe agora já apresenta muita dificuldade para fala e deglutição e embora a gente ainda perceba que o cérebro dela reconhece as coisas e pessoas ao seu redor, fica a maior parte do tempo dentro da jaula que seu corpo se transformou. A tristeza que sinto de vê-la assim não tem como descrever, nem explicar. O sentimento de impotência e de desespero às vezes, me machuca, me deixa sem rumo, sem palavras, sem ação.
Queria muito poder guardar apenas as recordações boas da minha mãe. Preservar apenas os casos engraçados e os momentos de carinho e sabedoria que ela compartilhou comigo. Até as broncas, as brigas, a vida que vivemos e não a que sobrevivemos...
A doença dela trouxe pra mim uma solidão que não consigo dividir. Não uma solidão constante mas em momentos, quando me permito pensar e divagar sobre a injustiça disso tudo...
Cara! É foda!
É mais difícil de aceitar a situação quando não existe um porquê, uma forma de evitar...
Nesse momento acredito que ninguém consegue se preparar para ver as pessoas que ama envelhecerem. Não tem como se preparar para a decadência física, mental e psicológica daqueles que sempre foram o porto seguro de nossas vidas. Daqueles que sempre nos deram segurança e que a gente sabia que por pior que fosse a bronca, maior seria o amor!
Com sinceridade, não há uma fórmula para conviver com isso tudo! Acredito que se a gente que, vive essa situação, conseguir se manter saudável, física e mentalmente, alcançamos o objetivo principal de tornar o dia a dia o menos penoso possível para o doente e para as pessoas que convivem com ele.
De verdade, tô tentando!